Carioba Um Pedaço do Paraíso



CARIOBA

“Um pedaço do paraíso” é assim que defino “Carioba” para meus filhos e meu neto.

Levei-os para conhecer o local tão falado por mim.

Quanta decepção, nada ficou em pé, exceto a capela onde casei há 36 anos.

Tentei localizar a casa onde vivi a minha infância e adolescência, a casa de minhas amigas, de pessoas que eram muito importantes em nossas vidas.

Tentei localizar a padaria, a farmácia, a casa do “Zé fogo”, o bar de cima, o bar de baixo, o empório, a escola ( agora em ruínas) .

O açougue e as casas dos patrões foram as únicas referências além da fábrica.

Cadê a rua de baixo que nos levava ao campo e as pedras?

Cadê a rua de baixo que passava por trás dos quintais desde a escola até o lado de minha casa?

Cadê o jardim?

Ah minha casa..., como esse pedaço de chão era amado.

Carioba encolheu, não dá para imaginar onde cabiam tantas casas, a rua da represa encurtou.

Tudo parecia tão grande,e havia muita vida e energia nesse pedaço de chão que hoje nos trás ótimas lembranças.

Vida que começava muito cedo para os funcionários da fábrica, para as crianças que iam para a escola.

Tínhamos o leite e o pão na porta de casa.

Tudo o que precisávamos havia ali.

“Poucas coisas tínhamos que buscar na cidade,” até cinema havia ali.

Este lugar deixou muita saudade.

Depois que casei e saí da cidade de Americana tive pouquíssimo contato com Cariobenses, e sei que maioria deles tem seu umbigo enterrado lá e amam muito esse lugar.

Aos cariobenses que lerem essas linhas, um beijo no coração.

Saibam que trago comigo as melhores lembranças e saudades de todos.

Um beijo no coração de cada um.

Magali , neta do Quito Adorno.



Magali Quirino












    VEJA TAMBÉM