História e Homenagem a Carioba


A HISTÓRIA DE CARIOBA


Carioba foi uma vila operária construída ao redor da primeira tecelagem da região de Campinas. A fábrica foi fundada em 1875 pelo norte-americano William Pultney Ralston, que se associou a fazendeiros da família Souza Queiroz. O apogeu da empresa aconteceu a partir de 1902, quando, adquirida pelo alemão Franz Muller, fornecia tecidos para todo o país. O bairro ganhou ruas pavimentadas e energia elétrica antes dos principais centros urbanos da região. O patrão construiu um clube, um cinema, um campo de futebol. Os operários moravam de graça nas casas erguidas em estilo arquitetônico alemão. E foi Müller quem construiu, em 1907, a escola da vila. Lá estudavam todos os filhos dos operários. Carioba entrou em declínio na década de 40, quando o Grupo JJ Abdalla assumiu a administração da fábrica e a sucateou. A vila operária foi se esvaziando, à medida que os tecelões arrumavam emprego no emergente polo industrial de Americana.


Na década de 80, o bairro foi desapropriado e demolido. Permaneceram de pé a antiga fábrica (hoje dividida em fabriquetas) duas históricas residências da família Müller, e os prédios da escola e a sociedade de mútuo-socorro (fundada para garantir assistência médica aos trabalhadores). Todos os imóveis se tornaram patrimônio da Prefeitura, e foram tombados pelo Estado.

Ladeada por bambus que formavam um túnel sombreado e acolhedor, a estrada de acesso à Vila Operária já encantava os visitantes. Lá, a fábrica de tecidos Carioba construiu 287 casas para os empregados e suas famílias seguindo a arquitetura alemã. O esmero dos moradores com o jardim da frente e a horta dos fundos era uma exigência da administração. Havia luz elétrica, água encanada, esgoto, coleta de lixo. A água fervida na tinturaria passava por tratamento antes de ser despejada no rio. As ruas do bairro foram as primeiras do país a receber asfalto. Tinha escola para as crianças, biblioteca, igreja, açougue, padaria, farmácia, bares, restaurante, cinema, clube de regatas, campo de futebol, salão de danças, bandas de música, grupos de teatro. Tinha hotel e pista com hangar para aviões. O parque recreativo ficava aberto para o piquenique dos turistas. Aos viajantes, uma parada de trem oferecia descanso e a paisagem elaborada, emoldurada pelo rio Piracicaba, o ribeirão Quilombo e árvores que floresciam no topo dos morros.


UM LUGAR PERFEITO

Um lugar lindo..
onde se possa sonhar...
onde o sorriso é bem vindo,
onde se possa amar...
um lugar perfeito pra viver.
o lugar dos sonhos dos artistas,
um lugar onde se possa viver
sem preocupar-se com egoístas...
acredito sim que exista esse lugar.
um lugar de felicidade..
onde se possa respirar
e viver em solidariedade.
o mundo é perfeito...
nós quem criamos os problemas,
o enchemos de defeitos,
e com nossos dilemas.
se lutássemos por belos sonhos 
por um mundo verdadeiro,
uma vida bem legal...
um mundo cheio de paz
um lugar ideal...
só depende de nossa união...
se buscarmos de verdade
bem no fundo do coração.
um lugar de felicidade..... CARIOBA