10 de mar de 2013

Poesias - Flutuando



Caiam raios,


Desafiem a razão,

Mostrem a vida, mostrem a morte,

Mostrem o poder da criação.


Caiam raios,


Desafiem o equilíbrio,

Mostrem que do caos surgirá a paz,

E da solidão nascerá o amor.


Caiam raios,


Rasgando os céus desafiando a escuridão,

Façam tremer corações aflitos e inseguros,

Façam com que sintam a chama da paixão.




Ainda que o amor ao meu coração possa voltar,


Ainda que à terra o céu possa tocar,

Nada a sua imagem irá apagar.


Nos devaneios da solidão,


Seu brilho ecoa em minha alma,

E insiste em me queimar.


A ira deforma uma realidade,


Que nada consegue espantar,

Iluminando ainda mais seu brilho,

Que insiste em me queimar.


Sei que a razão a tudo alcança,


Alimentando a esperança,

De um dia seu brilho apagar.



Nas águas de março,


Fui além do luar,

Virei cometa,

Por Vênus fiquei a me encantar.


Pelos céus da Terra,


Brilhei como as estrelas,

Iluminei corações,

Que começaram a sonhar.


Um dia meu brilho há de se apagar,


Mas não será por Vênus,

Que hoje deixo de amar



Cansado e maltratado,


Perdi a inspiração.
Choro a dor do vazio,
Derrotado pela razão.


Volto ao abrigo seguro,


Fugindo da batalha que não pude vencer,

Escondido onde não posso ser visto,

Protegido por um novo ser.


Não mais poderei gritar,


Nem mesmo te socorrer,

Pois agora quem manda,

É um novo ser.


Gostou? Aproveita e compartilha essa postagem no Google+, Facebook, etc. Se foi bom para você, talvez possa ser bom para mais pessoas...





MAIS SUGESTÕES PARA VOCÊ