Quito Adorno - Uma Vivência Maravilhosa


Quito Adorno nasceu na cidade de Mogi Mirim, no dia 14 de fevereiro de 1898, mas Americana foi sempre a sua cidade de coração, que o acolheu como verdadeiro filho.

Com apenas 8 anos de idade, seus pais resolveram para a então Vila Americana, morando na Colina, perto do antigo matadouro.

Como era uma família tipicamente da lavoura, Quito e os pais mudaram-se para a Fazenda Salto Grande, isso em 1920.  Como era jovem e bem intencionado, logo adquiriu a confiança dos Muller Carioba, proprietários da fazenda, e foi nomeado fiscal geral de todas as terras, incluindo a leiteria.  

Quando o Comendador Muller faleceu, em 1921, os operários da fábrica de Carioba, solicitaram aos filhos do falecido, uma gleba de terra para ser construído um jardim público, para lá ser erigido um busto do Comendador, como homenagem dos operários que trabalharam um dia sem vencimentos, cujo dia de trabalho, serviria para a fundição do busto.

Quito Adorno foi procurado e também tomou parte na comissão, conseguindo que muitos colonos da fazenda também trabalhassem na terraplenagem do local.

O Parque Dona Albertina, local de grandes partidas de futebol, teve a terraplenagem também executada pela turma do Quito, que os conduzia com carro puxado à boi, e, com enxadas e enxadões, o nivelamento foi concluído.

Quito sempre foi um homem pacato e tinha na lavoura sua paixão.  Juntamente com Vitório Linarello, foi o pioneiro na plantação de algodão na região.  Em 1944, Carioba foi vendida ao grupo Abdalla, e Quito Adorno continuou à merecer dos novos proprietários a mesma confiança adquirida junto aos Muller Carioba.

Certa ocasião nos contou que os Abdalla fizeram de tudo, no início, para uma aproximação com os operários, mas essa aproximação nunca se concretizou, pois havia os descontentes com a venda do local.

QUITO ADORNO E DONA QUITA ADORNO

Conhecendo no corte de cana uma senhorita que também executava esse serviço, gostou dela e, no dia 26 de março de 1921, contraiu matrimônio com Maria Fernandes Ramos, e desse feliz casamento, tiveram os filhos:  Lázaro, casado com Rosalina Bertin Adorno;  Antonio, casado com Nair Sales Adorno;  Nelson, casado com Alice Zomignan Adorno;  Dolores, casada com Valério Nascimento;  Ruth, casada com Jacinto Passarelli;  Olinto, casado com Cleusa Martins Adorno;  Diva e Abigail.  Deixou vários netos e bisnetos.

Na Carioba, onde veio morar ainda moço, e onde ficou até a morte, sempre recebeu de todos os cariobenses muito respeito, pois Quito também respeitava à todos.

Tinha condição de ficar rico, pois os Abdalla lhe davam toda a liberdade, mercê da confiança que tinham nele, mas Quito preferiu morrer pobre, sem mesmo ter uma casa própria para morar.

Temos absoluta certeza de que faleceu com tristeza de ver a Fazenda Salto Grande ser transformada em parque industrial, e a romântica e poética Carioba sendo demolida casa por casa, transformando-se em um lugar triste, do qual só restam recordações e nada mais.

Coração bondoso, exerceu com boa vontade o cargo de 1º tesoureiro da Sociedade Mútuo Socorro "Comendador Muller", indo constantemente visitar os hospitais conveniados, não só para efetuar os pagamentos, como verificar como os associados estavam sendo atendidos.

Homem com característica de elemento do passado, simples, humilde, mas de grande responsabilidade, era fácil de dialogar com ele.

Quito, hoje, não mais está conosco, porque Deus o chamou para junto de si, depois de ter cumprido sua missão aqui na Terra.

Dinheiro para ele, embora ninguém possa viver sem ele, não tinha tanta importância, e deixou para sua família, uma herança de inestimável valor:  a honradez.

Suas mãos calejadas pela rudeza do trabalho, seus lábios que nunca soltaram palavras de revolta ou ofensas a quem quer que seja, seu coração que pulsava espargindo amor à todos, suas pernas a andar cadenciadas, seu corpo onde se notava o perfil de um trabalhador, pararam, para que sua alma descanse no Senhor.

Todos que seguirem os exemplos de Quito Adorno, todos que seguirem pela mesma estrada da vida que ele caminhou, um dia voltarão à se encontrar com ele, pois todos que assim procederam, também estarão junto de Deus.






    VEJA TAMBÉM